Logo ASBAI

Revista oficial da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia ASBAI

Brazilian Journal of Allergy and Immunology (BJAI)

Março-Abril 2014 - Volume 2  - Número 2

Editorial

1 - Introdução precoce de alimentos na infância: qual a melhor recomendação?

Early introduction of foods in infancy: what is the best recommendation?

L. Karla Arruda

Braz J Allergy Immunol. 2014;2(2) :47-49

DOI: 10.5935/2318-5015.20140008

PDF Português

Artigo de Revisão

2 - Alimentação no primeiro ano de vida e prevenção de doenças alérgicas: evidências atuais

Feeding in the first year of life and prevention of allergic diseases: current evidence

Marina Neto Rafael; Heloiza C. T. Esteves; Glauce Hiromi Yonamine

Braz J Allergy Immunol. 2014;2(2) :50-55

Resumo

DOI: 10.5935/2318-5015.20140009

PDF Português

A prevalência de doenças alérgicas aumentou significantemente nos últimos anos. Devido a este rápido aumento, surgiu o interesse em se identificar estratégias de prevenção ou redução do risco de se desenvolver alergia. Acredita-se que esta alta prevalência seja consequência de mudanças ambientais modernas, como o desenvolvimento industrial, mudanças climáticas e de hábitos alimentares que poderiam afetar a função imunológica, independente do seu caráter genético. O presente estudo tem como objetivo discutir o papel da alimentação no primeiro ano de vida sobre a prevenção de doenças alérgicas, através de revisão bibliográfica com base em artigos publicados entre 2003 e abril de 2014, disponíveis nos bancos de dados PubMed, SciELO e LILACS. Com relação ao aleitamento materno, existem poucas evidências do seu efeito protetor para o desenvolvimento de alergia. A recomendação de manter o aleitamento materno exclusivo por período de 4 a 6 meses deve-se a outros benefícios associados a esta prática. Há dados suficientes para a indicação da utilização de fórmulas parcialmente ou extensamente hidrolisadas, com alergenicidade reduzida comprovada, para aqueles com alto risco de desenvolvimento de atopia, quando a amamentação exclusiva não for possível. O início da alimentação complementar é recomendado após 4-6 meses, com atenção à variedade dos alimentos. A alimentação no primeiro ano de vida parece ser importante para a modulação do desenvolvimento do sistema imunológico e prevenção de alergias.

Palavras-chave: Hipersensibilidade, aleitamento materno, alimentação mista, prevenção primária.

Artigos Originais

3 - Imunodeficiência combinada grave: uma revisão da literatura

Severe combined immunodeficiency: review of the literature

Juliana Cantagalli Pfisterer; Sabrina Vargas Martini; Paolo Ruggero Errante; Josias Brito Frazão

Braz J Allergy Immunol. 2014;2(2) :56-65

Resumo

DOI: 10.5935/2318-5015.20140010

PDF Português

A imunodeficiência combinada grave (SCID) é uma condição clínica caracterizada por marcante comprometimento da resposta imune envolvendo linfócitos T e/ou B e/ou células NK, que conduz a aumento da susceptibilidade a infecções e alta taxa de mortalidade em crianças acometidas. Dificuldades na interpretação dos sintomas clínicos e na identificação de mutações genéticas, devido à ampla variedade fenotípica e genotípica da doença, representam obstáculos para o diagnóstico. Por outro lado, o tratamento é realizado de forma independente da identificação de mutação genética. O objetivo do presente trabalho foi revisar aspectos fisiopatológicos, métodos diagnósticos e tratamentos utilizados em pacientes com SCID. A revisão foi realizada com base em levantamento bibliográfico de banco de dados indexados disponíveis na Internet incluindo LILACS, MEDLINE, PubMed, SciELO Brasil, periódicos CAPES e Cochrane, e foi conduzida com os seguintes critérios de inclusão: artigos científicos publicados nos idiomas português e inglês, dentro do período de 1963 a 2014 e que possuíam as palavras-chave "Imunodeficiência Combinada Grave", "SCID", "Leucopenia", "Diagnóstico", "Tratamento" e "Transplante de medula óssea". O levantamento bibliográfico revelou dificuldades no diagnóstico clínico, laboratorial e genético-molecular, e ressaltou a importância do diagnóstico precoce conduzindo ao tratamento adequado. O diagnóstico precoce da SCID tem papel crucial na melhora da qualidade de vida e na sobrevida dos pacientes, além de favorecer intervenções terapêuticas que previnem o surgimento de infecções e complicações clínicas subsequentes.

Palavras-chave: Imunodeficiência combinada grave, SCID, leucopenia, diagnóstico, tratamento, transplante de medula óssea.

4 - Citologia do escarro induzido em asmáticos infectados pelo Schistosoma mansoni

Induced sputum cytology in asthmatics infected with Schistosoma mansoni

Givaneide S. Lima; Maria Ilma Araújo; Maria Cecília F. Almeida; Alvaro A. Cruz; Luciana S. Cardoso

Braz J Allergy Immunol. 2014;2(2) :66-74

Resumo

DOI: 10.5935/2318-5015.20140011

PDF Português

INTRODUÇÃO: A infecção pelo Schistosoma mansoni inibe manifestação da asma. A avaliação do escarro induzido em pacientes infectados pelo parasita pode trazer informações importantes sobre a relação entre doenças alérgicas e parasitoses.
OBJETIVO: Avaliar a celularidade do escarro em asmáticos em uma área endêmica em esquistossomose na Bahia.
MÉTODOS: Estudo randomizado, duplo cego, controlado com placebo, incluindo asmáticos infectados pelo S. mansoni e um grupo de asmáticos não infectados. Foi utilizada a celularidade do escarro induzido, em contagens sequenciais pré (D0) e pós-tratamento (D7, D60 e D90), para avaliar os efeitos do tratamento da parasitose com praziquantel sobre a asma.
RESULTADOS: Avaliados 22 indivíduos asmáticos infectados pelo S. mansoni e grupo controle adicional composto por oito asmáticos não infectados. O grupo que usou praziquantel não diferiu do grupo placebo quando comparada a celularidade do escarro. Houve aumento no número de eosinófilos nos D7, D60 e D90 no grupo placebo, quando comparados ao basal, e no D60 no grupo praziquantel. O número total de células aumentou em relação ao basal no D7 e no D90 para o grupo placebo, e no D90 para o grupo praziquantel. O grupo que usou praziquantel apresentou uma redução do volume expiratório forçado no 1º segundo (VEF1) no D7, D60 e D90. Não houve associação entre a eosinofilia e a gravidade da asma.
CONCLUSÃO: No presente estudo não foi encontrada correlação entre os tipos celulares encontrados e a gravidade da asma, nem houve variação significativa do percentual de eosinófilos em resposta ao tratamento da esquistossomose.

Palavras-chave: Escarro, asma, eosinófilos, eosinofilia, esquistossomose.

5 - Estudo comparativo sobre a prevalência de alergias entre idosos e não idosos

A comparative study of the prevalence of allergies in elderly and non-elderly patients

Lílian Dias dos Santos Alves; Andrea Bronhara Pelá Calamita; Zamir Calamita

Braz J Allergy Immunol. 2014;2(2) :75-80

Resumo

DOI: 10.5935/2318-5015.20140012

PDF Português

OBJETIVO: Doenças alérgicas também estão presentes no idoso e apesar do impacto em sua qualidade de vida, podem ser subdiagnosticadas ou desvalorizadas pela concomitância de outras doenças consideradas de maior gravidade e de risco à vida. Este estudo teve como objetivo analisar a prevalência de doenças alérgicas observadas em idosos com 60 anos ou mais, comparando-se com a de não idosos, atendidos em clínica especializada em alergia.
MÉTODOS: Realizou-se uma análise retrospectiva de prontuários de uma clínica particular, supervisionada pela Disciplina de Alergia da Faculdade de Medicina de Marília.
RESULTADOS: Dentre os 398 prontuários analisados, 51 (12,8%) eram de pacientes com 60 anos ou mais, com os seguintes diagnósticos de doenças alérgicas ou de hipersensibilidade: 31,4% dermatite de contato; 15,7% urticária crônica; 13,7% reação adversa a fármaco(s) (RAF); 11,8% rinite; 7,8% asma; 7,8% prurido; e 3,9% tosse. Os demais 347 pacientes tinham menos que 60 anos, com os seguintes diagnósticos de doenças alérgicas ou de hipersensibilidade: 24,2% urticária crônica; 23,6% rinite; 21,6% dermatite de contato; 11,5% asma; 4,3% RAF; 3,4% urticária aguda; 2,6% conjuntivite alérgica; 1,4% tosse; 1,1% dermatite atópica; 1,1% prurido. Houve prevalência significantemente maior de RAF e de prurido no grupo dos idosos.
CONCLUSÕES: Conclui-se que os idosos apresentaram prevalências semelhantes para as diversas doenças alérgicas ou de hipersensibilidade em relação aos não idosos, exceto para RAF e prurido, os quais predominaram na população idosa.

Palavras-chave: Alergia, epidemiologia, hipersensibilidade, idoso.

6 - Sensibilização polínica associada à polinose no trópico brasileiro: um desafio atual para o diagnóstico clínico

Francisco M. Vieira

Braz J Allergy Immunol. 2014;2(2) :81-82

DOI: 10.5935/2318-5015.20140013

PDF Português

2018 Associação Brasileira de Alergia e Imunologia

Av. Prof. Ascendino Reis, 455, Vila Clementino, CEP 04027-000, SÃO PAULO, SP, Fone: (11) 5575-6888

GN1 - Sistemas e Publicações