Logo ASBAI

Revista oficial da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia ASBAI

Brazilian Journal of Allergy and Immunology (BJAI)

Número Atual:  Outubro-Dezembro 2017 - Volume 1  - Número 4


Artigo Original

Estudo do perfil proteico e reatividade imunoquímica dos extratos dos ácaros D. farinae, D. pteronyssinus e B. tropicalis na cidade do Rio de Janeiro, Brasil

Study of protein profile and immunochemical reactivity for extracts of D. farinae, D. pteronyssinus and B. tropicalis mites in the city of Rio de Janeiro, Brazil

Francisca das Chagas Sobral Silva Mihos1; Patrícia Ribeiro Pereira2; Anderson Bruno de Almeida Matos3; Caio Velloso Mergh3; Maria Queiroz da Cruz3


DOI: 10.5935/2526-5393.20170056

Instituto de Química, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil


Endereço para correspondência:

Francisca das Chagas Sobral Silva Mihos
E-mail: franciscamihos@gmail.com


Submetido em: 20/03/2017
Aceito em: 28/06/2017
Não foram declarados conflitos de interesse associados à publicação deste artigo.

Suporte financeiro: Laboratório de Extratos Alergênicos Ltda.

RESUMO

OBJETIVO: Em países tropicais, como o Brasil, o mapeamento dos constituintes proteicos de extratos de ácaros torna-se informação relevante quando se pretende fazer avaliações terapêuticas de doenças alérgicas respiratórias, além de contribuir para a construção de um banco de dados interno do país. Os extratos apresentam-se como misturas complexas contendo diferentes composições de material biológico, sendo necessária a determinação do seu perfil proteico para um melhor desempenho em diagnóstico e terapia. Assim, este estudo analisou a eletroforese das proteínas constituintes dos extratos de B. tropicalis, D. farinae e D. pteronyssinus e avaliou a reatividade das imunoglobulinas específicas de soros de voluntários atópicos da cidade do Rio de Janeiro, Brasil.
MÉTODOS: Amostras dos extratos foram submetidas a precipitação com acetona e aplicadas em gel de poliacrilamida 12,5%. Após a corrida eletroforética, as amostras foram transferidas para membrana de nitrocelulose de 0,45 µm, seguido da etapa de incubação com pool de soros. As bandas referentes à reatividade antígeno-anticorpo foram obtidas pelo método colorimétrico, utilizando-se a peroxidase conjugada a anticorpo secundário.
RESULTADOS: Os resultados obtidos mostraram que a precipitação proteica favoreceu a visualização das bandas no gel, mostrando sua homogeneidade pela reprodutibilidade dos experimentos e seu baixo desvio padrão. Também quanto ao perfil eletroforético, os extratos apresentaram proteínas específicas em sua constituição, tendo reatividade positiva ao teste imunoquímico.
CONCLUSÃO: Pode-se inferir que os extratos de ácaros obtidos no Brasil apresentam alérgenos diferentes quando comparados com extratos proteicos apresentados na literatura americana e europeia, o que torna necessária a criação de critérios próprios de avaliação para padronização dos extratos.

Palavras-chave: Poeira, imunoterapia, aérgenos.



2018 Associação Brasileira de Alergia e Imunologia

Av. Prof. Ascendino Reis, 455, Vila Clementino, CEP 04027-000, SÃO PAULO, SP, Fone: (11) 5575-6888

GN1 - Sistemas e Publicações