Logo ASBAI

Revista oficial da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia ASBAI
Revista oficial da Sociedad Latinoamericana de Alergia, Asma e Inmunología SLaai

Brazilian Journal of Allergy and Immunology (BJAI)

Número Atual:  Novembro-Dezembro 2014 - Volume 2  - Número 6


Artigo Original

Atendimento a pacientes com anafilaxia: conhecendo as principais condutas médicas nos setores de urgência e emergência dos hospitais da cidade de Maceió, Alagoas

Assistance to patients with anaphylaxis: learning about the main medical procedures performed at hospital-based emergency departments in the city of Maceió, state of Alagoas

Társis Padula dos Santos1; Giuliano Rodrigues Freire de Almeida1; Lucas Correia Lins1; Iramirton Figuerêdo Moreira2


1. Estudante de Medicina, Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió, AL
2. MD, MSc. Faculdade de Medicina, UFAL, Maceió, AL


Endereço para correspondência:

Társis Padula dos Santos
E-mail: t_ralf5@hotmail.com


Submetido em: 06/08/2014.
Aceito em: 07/08/2015.
Nao foram declarados conflitos de interesse associados à publicaçao deste artigo.

RESUMO

OBJETIVO: Verificar o conhecimento e conduta de médicos clínicos e pediatras frente ao atendimento de casos de anafilaxia em setores de urgência e emergência da cidade de Maceió, Alagoas.
MÉTODOS: Trata-se de um estudo epidemiológico observacional transversal, em que foi aplicado questionário a médicos clínicos e pediatras de hospitais público e privados, dos setores de urgência e emergência da cidade de Maceió, Alagoas.
RESULTADOS: Participaram do estudo 95 médicos, dos quais 54,7% já atenderam um caso de anafilaxia. Dos entrevistados, 76,9% indicaram a atençao à respiraçao, ventilaçao e circulaçao como medida inicial. A adrenalina foi indicada como primeira droga a ser administrada no manejo da anafilaxia por 78,9%, e entre eles a via de administraçao subcutânea foi escolhida por 52% dos participantes. O conhecimento sobre a reaçao bifásica foi identificado em 46,3% dos médicos, e o glucagon foi citado por 3,15% dos médicos como fármaco alternativo no manejo de pacientes em uso contínuo de betabloqueador, refratários ao tratamento habitual.
CONCLUSOES: Médicos que atendem nos setores de urgência e emergência possuem conhecimentos para o manejo inicial da anafilaxia, mas há a necessidade de educaçao continuada sobre condutas médicas frente à anafilaxia para uma melhor abordagem, por ser uma condiçao clinica de extrema gravidade e que exige atendimento rápido e adequado.

Descritores: Anafilaxia, conhecimento, assistência médica.




INTRODUÇAO

A anafilaxia é definida pela World Allergy Organization como uma reaçao alérgica grave, podendo ser desencadeada por mecanismos imunológicos, pela liberaçao de mediadores inflamatórios a partir de mastócitos e basófilos, frequentemente mediada por IgE ou outros mecanismos1-3.

As reaçoes anafiláticas IgE-mediadas dependem de uma sensibilizaçao prévia por alérgenos, como venenos de insetos, alimentos, látex, medicamentos e imunizaçoes, com a produçao de IgE específica para cada alérgeno2-5. Nas manifestaçoes clínicas observam-se comprometimento de pele, prurido, urticária e angioedema, além de edema laríngeo, hipotensao, broncoespasmo, náuseas, vômitos, dor abdominal, diarreia e/ou efeitos cardíacos diretos, incluindo arritmias, nos casos mais graves6.

O diagnóstico é baseado em manifestaçoes clínicas, testes cutâneos de leitura imediata e dosagens de anticorpos IgE. Por ser uma condiçao de desenvolvimento rápido, o diagnóstico clinico é primordial, baseado no acometimento de dois ou mais sistemas, de início rápido após exposiçao a fatores desencadeantes da reaçao imunológica6.

No tratamento da anafilaxia há a abordagem inicial, complementar e profilática. A abordagem inicial deve começar com a rápida avaliaçao do nível de consciência do paciente, manutençao de vias aéreas pérvias e de acesso venoso calibroso, além de monitoramento cardíaco. O uso de adrenalina é imediato, sendo essa a droga de primeira linha7-10. O tratamento complementar inclui o uso de anti-histamínicos que contribuem para reduçao da urticária, do angioedema e do prurido. Corticosteroides também sao indicados para reduzir reaçoes tardias e anafilaxia prolongada11; e o glucagon é usado em pacientes em uso de betabloqueador adrenérgico com hipotensao e bradicardia refratárias à adrenalina3,5.

A incidência e prevalência nao sao bem conhecidas, devido à subnotificaçao e ao subdiagnóstico. Apesar disso, este nao é um quadro raro, e a taxa de ocorrência é crescente, principalmente nas duas primeiras décadas de vida12. Em estudo realizado a partir de recursos do Rochester Epidemiology Project, a taxa de incidência dobrou em 10 anos, sendo de 21 a cada 100.000 pessoas em 1980, aumentando para 49,8 a cada 100.000 pessoas em 1990. Fatores como idade e sexo influenciam na alteraçao da taxa de ocorrência da anafilaxia, onde a incidência nos indivíduos entre 0 a 19 anos é de aproximadamente 70 a cada 100.000 pessoas; quanto ao sexo, o masculino é mais acometido até os 15 anos de idade13. Outros fatores associados a uma alta incidência da anafilaxia sao: alimentos, mais frequentes nas crianças, adolescentes e adultos jovens; ferroada de inseto, mais verificados em adultos de meia idade e idosos que sao mais vulneráveis; e medicamentos, mais relacionados a pessoas acima de 8 anos5,10,14.

Com base no exposto, este estudo buscou verificar o conhecimento e a conduta médica frente a casos de anafilaxia nos setores de urgência e emergência dos hospitais da cidade de Maceió, Alagoas.

 

MÉTODOS

Trata-se de estudo epidemiológico observacional, transversal, que permitiu abranger toda a populaçao de médicos clínicos e pediatras que atendem nos setores de urgência e emergência de hospitais públicos e privados da cidade de Maceió-AL, no período de maio a agosto de 2013.

Foram identificados 160 profissionais médicos, distribuídos entre 4 hospitais privados e 1 público, dos quais 95 aceitaram participar do estudo mediante assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e preenchimento de formulários compostos de questoes objetivas e discursivas referentes ao conhecimento sobre anafilaxia, como atendimento inicial, droga de primeira escolha e sua via de administraçao, medicamentos complementares e sobre reaçao bifásica. Esses formulários foram entregues devidamente envelopados pelo pesquisador aos participantes, a quem cabia acenar o momento oportuno. Foi solicitado aos participantes que nao comentassem com outros colegas sobre o conteúdo do formulário a fim de preservar a coleta livre de desvios.

Foi produzido um banco de dados no software Epi-Info 3.5.3 para as análises estatísticas, utilizando um intervalo de confiança de 95%.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Universidade Federal de Alagoas, protocolo de número 010186/2011-17.

 

RESULTADOS

Noventa e cinco médicos preencheram o formulário, o que representou 59,3% de participaçao. Destes, 51,6% eram pediatras e 48,4% clínicos.

Do total de participantes, 54,7% já atenderam pelo menos um caso de anafilaxia, sendo que 5 (9,6%) presenciaram algum óbito após o manejo clínico (p = 0,07; teste de Fisher). A atençao às vias aéreas foi a mais referenciada durante o atendimento nao farmacológico, representando 97,9% das respostas.

No manejo farmacológico, a droga de primeira escolha mais citada foi a adrenalina, sendo referenciada por 78,9% participantes, seguida do corticosteroide, referida por 17,9% profissionais. A escolha pelo uso da adrenalina foi mais frequente entre os pediatras, comparada à primeira escolha medicamentosa entre clínicos (p = 2,78; teste do Qui-quadrado), como pode ser observado na Tabela 1. A via de administraçao de primeira escolha mais citada para a adrenalina foi a subcutânea, representando 52% das respostas, seguida da intramuscular e endovenosa, como descrito na Tabela 2.

 

 

 

 

Como segundo medicamento a ser utilizado no tratamento da anafilaxia, foram dadas aos entrevistados as seguintes opçoes: corticosteroide, anti-histamínico, beta-2 agonista e aminofilina. A aminofilina foi relatada como medicamento a ser usado por 6,4% dos médicos, dados descritos na Tabela 3.

 

 

Em relaçao aos pacientes em uso crônico de betabloqueadores e refratários ao tratamento de anafilaxia, 30,5% dos médicos responderam que existia outro medicamento a ser utilizado; dentre estes, 10,3% responderam corretamente, identificando o glucagon como a droga apropriada.

Sobre a reaçao bifásica, 61,1% já ouviu falar no termo, e 75,9 % destes souberam responder corretamente que há recorrência do quadro clínico em algumas horas após a abordagem terapêutica. Para essas variáveis nao houve significância estatística (p = 0,94; teste do Qui-quadrado).

 

DISCUSSAO

Apesar de ser uma condiçao pouco comum nas emergências, o reconhecimento e o adequado manejo de uma reaçao anafilática é essencial por ser uma condiçao potencialmente fatal. Quando analisamos a conduta nao farmacológica desse quadro, a atençao às vias aéreas é primordial para a estabilizaçao do paciente. No presente estudo, as respostas dos participantes apresentaram-se de acordo com as diretrizes, corroborando com estudo realizado por Fonseca et al., em que a atençao ao aparelho respiratório foi mais frequentemente relatada16.

A adrenalina foi o principal fármaco citado, seguido do corticosteroide, dado que corrobora com os resultados encontrados em estudo realizado em Petrópolis, RJ11,16. No presente estudo, os pediatras foram os que mais referiram o uso da adrenalina, no entanto nao se evidenciam na literatura registros desta natureza. Tal achado caracteriza-se como lacuna, necessitando de uma investigaçao mais específica. A conduta farmacológica na anafilaxia pode variar dependendo do grau desta afecçao1,7, sendo a adrenalina o medicamento de escolha nesses casos1,3,8,17. A via de administraçao indicada com maior frequência para a adrenalina foi a subcutânea (52%), seguida da intramuscular (32%), resultado equivalente ao levantamento realizado com médicos que atendem em serviços de urgência e emergência de hospitais do Estado do Rio de Janeiro, onde a via subcutânea foi a mais prevalente (75,8%) e a via intramuscular só foi utilizada por 6% dos médicos pesquisados. Ambos divergem da recomendaçao do uso preferencial da via intramuscular para o manejo da anafilaxia16. A via intramuscular (músculo vasto lateral) é preconizada por ser uma via de fácil acesso, rápida absorçao e que minimiza os efeitos adversos, reservando a via endovenosa para casos com resposta inadequada a via intramuscular ou anafilaxia em atos operatórios, sempre com monitorizaçao cardíaca8-11.

No presente estudo, a aminofilina foi indicada como um fármaco a ser utilizado em última opçao, estando de acordo com o preconizado atualmente16. Dentre os medicamentos utilizados, a aminofilina vem sendo evitada ou usada apenas como último recurso16. A dificuldade em seu uso é determinada pela alta toxicidade, pelo seu baixo índice terapêutico, além de ter efeito arritmogênico7,12,16.

A prevalência do uso crônico de betabloqueadores vem crescendo na populaçao mundial, associada a comorbidades como a hipertensao arterial sistêmica e a insuficiência cardíaca. O uso crônico deste medicamento pode ser responsável pela refratariedade ao uso da adrenalina na anafilaxia15,16. Nestes casos, o glucagon é o medicamento de escolha, pois seus efeitos inotrópicos e cronotrópicos positivos independem dos receptores beta-adrenérgicos, revertendo os graves sintomas da reaçao anafilática, como hipotensao e o broncoespasmo15,16. No presente estudo, apenas 10,6% dos médicos relataram glucagon frente a esta situaçao.

A reaçao bifásica da anafilaxia corresponde ao recrudescimento dos sintomas sem nova exposiçao ao alérgeno em até 72 horas, sendo mais comum nas primeiras 8 horas, observando maior risco nos pacientes conduzidos de forma inadequada, ou com história anterior de reaçao bifásica16. Dessa forma, sempre deve ser indicada a observaçao dos pacientes após iniciada a conduta por no mínimo 6 horas, dependendo da gravidade do quadro, e no momento da alta, informar ao paciente a possibilidade do reaparecimento dos sintomas16. Neste contexto, 53,7% dos médicos nao souberam responder o que é reaçao bifásica, e dentre estes, alguns nao a conheciam por essa nomenclatura, mas sabiam do risco de recrudescimento da anafilaxia16.

Neste sentido, podemos concluir que os médicos que atuam em urgência e emergência dos hospitais de Maceió possuem conhecimentos para o manejo inicial, mas há a necessidade de educaçao continuada sobre condutas médicas frente à anafilaxia para uma melhor abordagem, por ser uma condiçao clinica de extrema gravidade e que exige atendimento rápido e adequado.

 

AGRADECIMENTOS

A Universidade Federal de Alagoas, seu corpo docente, direçao e administraçao que oportunizaram o desenvolvimento desse trabalho.

A Santa Casa de Misericórdia de Maceió, Hospital Arthur Ramos, Hospital Geral do Estado de Alagoas, Hospital Maceió, Pediatria 24 horas e Hospital Unimed Maceió, e seus profissionais que acreditaram no valor do projeto e contribuíram para sua realizaçao.

Aos voluntários que se dispuseram participar da pesquisa.

 

REFERENCIAS

1. Bernd LAG, de Sá AB, Watanabe AS, Castro APM, Solé D, Castro FM, et al. Guia prático para o manejo da anafilaxia. Rev bras alerg imunopatol. 2012;35(2):53-70.

2. Sicherer SH, Mahr T and the Section on Allergy and Immunology. Clinical Report- Management of Food Allergy in the School Setting. Pediatrics. 2010;126(6):1232-8.

3. Simons FE, Ardusso LR, Bilò MB, El-Gamal YM, Ledford DK, Ring J, et al. World Allergy Organization anaphylaxis guidelines: summary. J Allergy Clin Immunol. 2011;127(3):587-93.

4. Associaçao Brasileira de Alergia e Imunopatologia, Sociedade Brasileira de Anestesiologia. Anafilaxia: diagnóstico. Rev. Assoc. Med. Bras. 2013;59(1):7-17.

5. Solé D, Ivancevich JC, Borges MS, Coelho MA, Rosario NA, Ardusso LRF, et al. Anaphylaxis in Latin America: a report of the online Latin American survey on anaphylaxis (OLASA). Clinics. 2011;66(6):943-7.

6. Prado E, Silva MJB. Anafilaxia e reaçoes alérgicas. J Pediatr (Rio J). 1999;75(2):S259-67.

7. Quadros-Coelho MA, Coelho-Filho RM, Coelho MA, Alencar GG, Marques PQ, Solé D. Reaçoes anafiláticas em serviço de urgência: tratamento farmacológico em 61 pacientes. Rev bras alerg imunopatol. 2010;33(5):199-202.

8. Kemp SF, Lockey RF, Simons FE. Epinephrine: the drug of choice for anaphylaxis. A statement of the World Allergy Organization. Allergy. 2008;63(8):1061-70.

9. Kanwar M, Irvin CB, Frank JJ, Weber K, Rosman H. Confusion about epinephrine dosing leading to iatrogenic overdose: a lifethreatening problem with a potential solution. Ann Emerg Med. 2010;55(4):341-4.

10. Lieberman P, Nicklas RA, Oppenheimer J, Kemp SF, Lang DM, Bernstein DI, et al. The diagnosis and management of anaphylaxis practice parameter: 2010 Update. J Allergy Clin Immunol. 2010;126(5):477-80.

11. Choo KJ, Simons FE, Sheikh A. Glucocorticoids for the treatment of anaphylaxis. Cochrane Database Syst Rev. 2010;(3):CD007596.

12. Simons FE, Ardusso LRF, Dimov V, Ebisawa M, El-Gamal YM, Lockey RF, et al, for the World Allergy Organization. World Allergy Organization Anaphylaxis Guidelines: 2013 Update of the Evidence Base. Int Arch Allergy Immunol. 2013;162(3):193-204.

13. Simons FE. Anaphylaxis: recent advances in assessment and treatment. J Allergy Clin Immunol. 2009;124(4):625-36.

14. Decker WW, Campbell RL, Manivannan V, Luke A, St Sauver JL, Weaver A, et al. The etiology incidence of anaphylaxis in Rochester, Minnesota: a report from the Rochester Epidemiology Project. J Allergy Clin Immunol. 2008;122(6):1161-5.

15. Krause RS. Anaphylaxis. 2010 Disponível em: http://emedicine.medscape.com/article/756150-overview. Acessado em 19 out. 2010.

16. Fonseca CSBM, Moraes IC, Contin IN, Maeda LH, Uehara MK, Almeida MEC, et al. Anafilaxia: conhecimento médico sobre o manejo em anafilaxia. Estudo em urgentistas na cidade de Petrópolis - RJ. Rev bras alerg imunopatol. 2009;32(1):9-12.

17. Simons FE. Anaphylaxis. J Allergy Clin Immunol. 2010;125(2 Suppl 2):S161-81.

2022 Associação Brasileira de Alergia e Imunologia

Rua Domingos de Morais, 2187 - 3° andar - Salas 315-317 - Vila Mariana - CEP 04035-000 - São Paulo, SP - Brasil - Fone: (11) 5575.6888

GN1 - Sistemas e Publicações